Como são produzidos os orgânicos? São mais nutritivos?

Como são produzidos os orgânicos? São mais nutritivos?

O “boom” dos produtos orgânicos surpreendeu muitas pessoas nos últimos anos! Só nos Estados Unidos em 2014, os consumidores gastaram mais de US$39,1 bi com produtos orgânicos. E esse número só continua crescendo, no mundo e no Brasil. Alguns argumentam que orgânicos têm melhor sabor, que são mais saudáveis e nutritivos, outros que cuidam mais do meio ambiente.

Nosso objetivo é comparar de maneira imparcial os orgânicos com os “tradicionais”, incluindo sua informação nutricional e os efeitos na saúde.

O que são alimentos orgânicos?

O termo “orgânico” se refere ao processo como alguns alimentos são produzidos. Os alimentos orgânicos foram produzidos sem o uso de produtos químicos (pesticidas ou fertilizantes), hormônios, antibióticos ou organismos geneticamente modificados.

Para obter a etiqueta de “orgânico”, o alimento deve estar livre de aditivos artificiais, incluindo adoçantes, conservantes, corantes, aromatizantes e glutamato monossódico.

Os cultivos orgânicos geralmente utilizam fertilizantes naturais para melhorar o crescimento da planta. Animais criados organicamente também estão livres de antibióticos e hormônios.

A agricultura orgânica tende a melhorar a qualidade do solo e a conservação das águas subterrâneas. Também reduz a poluição e pode ser melhor para o ambiente.

Os alimentos orgânicos mais comuns são frutas, legumes, verduras, grãos, laticínios e carnes in natura. Mas cada dia é mais comum encontrar produtos orgânicos processados como biscoitos, refrigerantes e cereais.

Produtos orgânicos podem ser mais nutritivos

Os estudos comparativos dos alimentos orgânicos e não orgânicos têm proporcionado resultados mistos. Isto possivelmente se deve à maneira como os alimentos foram manipulados ou cultivados.

No entanto, as evidencias apontam que os produtos orgânicos podem ser mais nutritivos que os “tradicionais”.

Orgânicos têm mais antioxidantes e vitaminas?

Vários estudos encontraram que alimentos orgânicos contêm mais antioxidantes e maiores quantidades de vitaminas e minerais, como, vitamina C, Zinco e Ferro. De fato, os níveis de antioxidantes podem ser até 69% maiores nos orgânicos (fonte).

Outro estudo também constatou que frutos vermelhos e milho orgânicos contêm até 58% mais antioxidantes e até 52% mais vitamina C (fonte).

E ainda tem mais! Um dos estudos mostrou que substituir frutas, legumes e cereais “convencionais” por orgânicos, pode fornecer antioxidantes extras na sua dieta. Isso foi comparável a consumir 1-2 porções extra de frutas e legumes por dia.

As plantas orgânicas não têm a “proteção” dos agrotóxicos. Em vez disso, elas produzem mais de seus próprios compostos de proteção, os quais geralmente serão antioxidantes.

Entenda melhor o que são e como trabalham os antioxidantes

Os níveis de nitrato geralmente são mais baixos nos orgânicos

Os produtos orgânicos também mostraram ter menores quantidades de nitratos. De fato, os estudos mostraram que os níveis de nitrato podem ser até 30% menores.

Níveis elevados de nitrato estão relacionados ao aumento do risco de certos tipos de câncer. Eles também estão vinculados a uma condição chamada metemoglobinemia, uma doença em lactantes que afeta a capacidade do corpo para transportar oxigênio (fonte).

Com isto, muitas pessoas acreditam que os efeitos nocivos dos nitratos foram exagerados. Os benefícios de comer legumes compensam muito os efeitos negativos!

Os laticínios e carnes orgânicos podem ter um perfil mais favorável de ácidos graxos

Os laticínios orgânicos podem conter níveis mais elevados de ômega 3 e quantidades ligeiramente mais elevadas de ferro, vitamina E e alguns carotenoides.

No entanto, o leite orgânico pode conter menos selênio e iodo, dois minerais que são essenciais para a saúde (fonte).

Uma revisão de 67 estudos constatou que as carnes orgânicas contêm níveis mais elevados de ômega 3 e níveis ligeiramente menores de gorduras saturadas do que a carne “convencional” (fonte).

O maior consumo de ômega 3 tem sido associado a muitos benefícios para a saúde, incluindo um risco reduzido de doenças cardíacas.

Ômega 3 uma gordura inteligente

Vários estudos não encontraram diferenças

Como mostramos, alguns estudos apontam que orgânicos são mais nutritivos e saudáveis. Mas o outro lado da moeda também deve ser mostrado. Alguns estudos encontraram evidências insuficientes para recomendar orgânicos sobre alimentos não orgânicos.

Um estudo de observação, comparando a ingestão de nutrientes de quase 4.000 adultos consumindo orgânicos ou “tradicionais” encontrou resultados conflitantes.

Embora uma ingestão ligeiramente mais elevada de determinados nutrientes fosse considerada no grupo orgânico, esta era mais provável devido ao consumo vegetal total mais elevado (fonte).

Uma revisão de 55 estudos não encontrou diferenças no teor de nutrientes nos orgânicos e não orgânicos, com exceção dos níveis inferiores de nitrato nos orgânicos.

Outra revisão de 233 estudos encontrou uma falha com fortes evidências para concluir que os alimentos orgânicos são mais nutritivos do que os “tradicionais”.

Mas cuidado!

É importante lembrar que o teor de nutrientes dos alimentos depende de muitos fatores, tais como a qualidade do solo, as condições meteorológicas e quando as colheitas são feitas.

A composição dos laticínios e carnes também pode variar pelas diferenças na genética do animal e da raça do animal, a alimentação dos animais, a época do ano e o tipo de exploração.

As variações naturais na produção e manuseio de alimentos tornam as comparações difíceis. Por tanto, todos os estudos devem ser interpretados com cautela.

Menos produtos químicos e bactérias resistentes

Muitos escolhem os orgânicos a fim de evitar produtos químicos e artificiais. E as evidências sugerem que consumir esses produtos pode reduzir sua exposição a resíduos de pesticidas e bactérias resistentes a antibióticos.

Um dos estudos constatou que os níveis de cádmio, um metal extremamente tóxico, foram 48% mais baixos em produtos orgânicos. Além disso, os resíduos de pesticidas foram 4 vezes mais propensos a aparecer nos produtos “tradicionais”.

É importante notar que o cádmio pode se acumular ao longo do tempo no corpo. Lavar, esfregar, descascar e cozinhar os alimentos pode reduzir esses produtos químicos, mas nem sempre serão removidos completamente.

Uma vez que a agricultura orgânica não usa antibióticos em animais, estes produtos geralmente contêm níveis ligeiramente inferiores de bactérias resistentes aos antibióticos.

Os alimentos orgânicos têm benefícios para a saúde?

As evidências sugerem que sim. O maior conteúdo de antioxidantes ajuda a proteger as células contra danos. Alguns estudos também sugerem que dietas orgânicas podem beneficiar o crescimento, a reprodução e o sistema imunológico.

Outro estudo também relatou que frangos alimentados com uma dieta orgânica mostraram ganho de peso reduzido e tinham sistemas imunológicos mais fortes.

Nos seres humanos, a dieta orgânica está ligada a um risco menor de alergias e eczemas em crianças e bebês.

Infelizmente, ainda não há evidência sólida disponível para confirmar que os alimentos orgânicos beneficiam a saúde humana muito mais do que alimentos “convencionais”.

Comida lixo orgânica continua sendo comida lixo

Existe comida lixo orgânica? Claro que sim!

E só porque um alimento seja etiquetado como tal, não significa que ele seja sempre saudável. Alguns alimentos podem ser altamente processados, ricos em calorias, açúcar, sal e gorduras adicionadas.

Por exemplo, biscoitos, batatas fritas, refrigerantes, sorvetes e até um hambúrguer podem ser orgânicos e encontrados no supermercado.

Apesar de orgânicos, estes produtos, principalmente em excesso, não são saudáveis.

Saber ler a etiqueta dos alimentos é a chave! Orgânico não significa que será light, diet ou integral.

Como saber se você está comprando orgânicos

A simples vista um alimento in natura é difícil de identificar se de fato é orgânico.

Pela legislação brasileira, considera-se produto orgânico (in natura ou processado), aquele que é obtido em um sistema orgânico de produção agropecuária ou oriundo de processo extrativista sustentável e não prejudicial ao ecossistema local.

Para serem comercializados, deveram ser certificados por organismos credenciados no Ministério da Agricultura, sendo dispensados da certificação somente aqueles produzidos por agricultores familiares que fazem parte de organizações de controle social cadastradas no MAPA, que comercializam exclusivamente em venda direta aos consumidores.

Sem o certificado do produtor é difícil saber se o produto será sempre orgânico, por tanto, compre sempre seus alimentos de fontes confiáveis e se possível, cultive seus próprios tomates e pimentões!

Deixe seu Comentário!